Menopausa e os sintomas de curto a longo prazo

Por muitos anos acreditava-se que a menopausa era uma doença. Hoje já se sabe que a menopausa é um processo fisiológico natural que ocorre na vida das mulheres, que geralmente se inicia entre os 45-50 anos, período esse que corresponde à fase da vida da mulher em que ocorre a transição do período reprodutivo onde a mulher passa a ter dificuldades para engravidar e ficar não reprodutivo.

A menopausa delimita as duas fases do climatério: pré-menopausa e pós-menopausa. A fase pré-climatério é caracterizada por alterações hormonais no quais os níveis de estrógeno e progesterona (hormônios sexuais femininos) diminuem gradativamente até que os ovários deixem de produzi-los e com isso, a ovulação cessa. Dessa forma a menstruação passa a ser irregular, havendo episódios de hemorragias, períodos de escassez, fazendo que seja mais ou menos freqüentes, até que cesse de vez, o que caracteriza o início do pós climatério que se prolonga até a velhice (período indeterminado).

menopausa da mulher

Embora a menopausa não seja uma doença e sim um período na vida da mulher, é fortemente marcado por diversas alterações fisiológicas, psicológicas e sociais importantes, com vários sintomas característicos que causam grandes desconfortos e prejudicam a qualidade de vida das mulheres.

Esta transição hormonal pode ainda levar ao aparecimento e/ou agravar algumas doenças. Em longo prazo, o mais comum é a osteoporose (fraturas osteoporóticas), acidentes cardiovasculares, aterosclerose, alterações degenerativas do sistema nervoso central como o Alzheimer. Essas são as de maior importância uma vez que representam altos índices de mortalidade, sendo aproximadamente 52% das mortes em mulheres acima de 50 anos.

Evidentemente que além dessas possíveis conseqüência à longo prazo, a curto e médio prazo temos comumente alguns sintomas:

SINTOMAS A CURTO PRAZO

– Ondas de calor repentinas (geralmente pescoço, face e tórax). Sintoma inicial mais como que acomete mais de 50% das mulheres que entram na menopausa, no entanto sua freqüência diminui para 30% das mulheres após três anos de menopausa. Lembrando que esse sintoma poderá persistir em até 16% das mulheres com 67 anos de idade;

– Suores noturnos;
– Alterações no sono (insônia);
– Alterações de humor como irritabilidade;
– Depressão.

MÉDIO PRAZO

– Diminuição de libido sexual (menor desejo sexual);
– Ressecamento vaginal;
– Dor durante o ato sexual (dispareunia);
– Atrofia em órgãos genitais;
– Diminuição de atenção e de perda/diminuição de memória.

TERAPIA DE REPOSIÇÃO HORMONAL

A Terapia de Reposição Hormonal tem o objetivo de fornecer a mulher os hormônios que estão em déficit a fim de amenizar ou eliminar os sintomas já mencionados e melhorar a qualidade de vida. A modulação hormonal feita com hormônios bioidênticos (TMHB) é a terapia mais moderna e que apresenta melhores resultados com menos efeitos colaterais. O hormônio bioidêntico é uma substância que possui “uma estrutura molecular exatamente idêntica à dos hormônios equivalentes produzidos pelo nosso próprio organismo, independentemente da fonte da qual se origina (assim pode ser natural ou sintética)” (hormônios bioidênticos, 2012).

Porém é fundamental que antes de iniciar esta terapia a mulher passe por uma avaliação médica muito criteriosa a fim de investigar se esta é a melhor opção ou não.

NUTRIÇÃO NA MENOPAUSA

A alimentação saudável e adequada pode auxiliar as mulheres na menopausa a amenizar os sintomas indesejáveis e alcançar ou manter um peso saudável. Isto tanto para as que fazem reposição hormonal, quanto principalmente àquelas que por algum motivo não podem fazer.

É comum que nesta fase haja uma maior facilidade de armazenar gordura e diminuir massa magra, nesta condição o metabolismo desacelera, a mulher vai ficando com uma composição corporal mais andrógena (com acúmulo de gordura abdominal), e isto representa maior risco às doenças cardiovasculares, como já mencionado, resistência insulínica, Diabetes tipo II e hipertensão arterial. Além disto, estudos demonstram que mulheres que apresentam, sobrepeso ou obesidade na menopausa podem ter sintomas mais intensos.
Há nutrientes específicos que tem ação na modulação hormonal e consequentemente pode amenizar os sintomas da menopausa. Portanto, fazer uma alimentação saudável consumindo com maior freqüência estes alimentos pode beneficiar muito as mulheres neste período.

Contudo fatores como o sedentarismo, obesidade e todas as doenças associadas com desequilíbrios orgânicos, excesso de consumo de alimentos industrializados, estresse, por exemplo, tem influência direta com a intensidade de tais sintomas.

Dessa forma, podemos ressaltar que para que possamos diminuí-los, a alimentação bem como a prática regular de exercícios físicos é fundamental.
Sendo assim, é primordial cuidar da alimentação, iniciando esse cuidado desde a infância e adolescência, pensando sempre na prevenção, pois dessa forma conseguimos modular todos esses sintomas, bem como prevenir algumas doenças crônicas associadas com estilo de vida e alimentação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *